North America Map
Infogram
top of page
Logo-red.png

+

¡INFÓRMATE!

O encerramento da UCA, mais um passo contra a própria Nicarágua.

Este ataque à UCA na Nicarágua e ao direito à educação, este ataque à verdade, à justiça e à liberdade, é mais uma expressão do declínio absoluto da democracia no país, bem como da perda da sua diversidade e riqueza em todos os níveis. Há anos que o Governo nicaraguense está determinado a minar a própria Nicarágua.

No passado dia 15 de agosto, a Universidade Centro-Americana da Nicarágua (UCA-Nicarágua) foi acusada de ser um "centro de terrorismo" numa acusação emitida pelo Décimo Tribunal Penal da Comarca de Manágua. Foi a aceleração final de um processo de anos de assédio estatal à universidade jesuíta que culminou, nas horas e dias seguintes, com o fim de todos os processos acadêmicos, o confisco dos bens da UCA, a criação imediata de uma nova universidade do regime daquele país e até a expulsão de uma comunidade jesuíta próxima da universidade, mas cuja propriedade não pertencia à universidade, mas diretamente à Companhia de Jesus.


A partir da Rede Jesuíta com os Migrantes, como parte do corpo apostólico da CPAL, aderimos a todas as posições oficiais da Província Jesuíta da América Central, da CPAL e do Padre Geral Arturo Sosa SJ, agradecemos todas as expressões de solidariedade interna (que incluem respostas efetivas para a continuação dos processos educativos, de investigação e de acolhimento) e externas e partilhamos os sentimentos de dor, impotência e indignação perante ações arbitrárias e impunes que não só afetam a instituição universitária enquanto tal e a comunidade educativa que lhe dá vida (professores, administradores, pessoal administrativo, estudantes, pais e mães, etc.), mas que em última instância afetam aos direitos fundamentais como a educação e povos tão caros a nós como o povo nicaraguense.


Este ataque à UCA, ao direito à educação na Nicarágua, esta violação da verdade, da justiça e da liberdade, é mais uma expressão do declínio absoluto da democracia no país, bem como da sua diversidade e riqueza. Durante anos, o Governo da Nicarágua, numa defesa fictícia do país, tem vindo a afetar profundamente a própria Nicarágua, o que se expressa de muitas formas:

  • Assim, no desmantelamento do seu tecido social, produtivo, econômico, cultural e político;

  • Na expulsão de nicaraguenses do seu próprio país, na geração de um fluxo crescente - especialmente desde abril de 2018 com o aumento da perseguição e da repressão - que gerou um fluxo de pessoas com necessidade de proteção internacional que se manifesta em toda a região e noutros países mais distantes;

  • Na quebra da confiança internacional, não só nos atores políticos ou nas estruturas multilaterais, mas também nos atores da sociedade civil, do mundo acadêmico, dos defensores dos direitos humanos, etc.

É por isso a nossa solidariedade, a nossa lembrança, o nosso compromisso não apenas com a nossa própria comunidade UCA, com a Companhia de Jesus no país e na província, ou com a Igreja tão duramente perseguida; a nossa solidariedade, a nossa lembrança, o nosso compromisso é com um país inteiro que vê qualquer futuro ameaçado por golpes que desfazem o seu presente em todos os sectores e territórios. O nosso compromisso mais específico é com os nicaraguenses que tiveram de decidir partir e com os que foram expulsos, com os não nicaraguenses que também se veem impossibilitados de continuar a expressar o seu amor e a sua ação social a favor dos direitos no país e que tiveram de deixar a Nicarágua ou foram expulsos ou impedidos de regressar.


No nosso caso, quando cantamos e assumimos o slogan #TodosSomosUCA, fazemo-lo não só de forma solidária, mas também como reflexo da nossa realidade em rede. A UCA Nicarágua faz parte da RJM desde o seu início, tem acolhido processos de pesquisa sobre a realidade da migração forçada, processos de acompanhamento e acolhimento de migrantes e pessoas com necessidade de proteção internacional, tem respondido de múltiplas formas à migração tanto de cidadãos nicaraguenses, como de cidadãos centro-americanos e outros fluxos internacionais cada vez mais complexos e desafiadores.


Não temos o direito de perder a esperança, desejamos e exigimos que se ponha fim a esta agressão e a todas as agressões que afastam a Nicarágua do caminho da democracia e da liberdade. Entretanto, gostaríamos de agradecer à UCA-Nicarágua e às suas várias equipes ao longo dos anos pelo seu firme compromisso com os direitos dos migrantes mais vulneráveis, independentemente da sua origem, raça ou religião. Este compromisso, que vai muito para além das suas próprias fronteiras, foi sempre uma inspiração para todo o corpo apostólico da Companhia de Jesus que constitui a Rede Jesuíta de Migrantes na Província da América Central, na Região CANA e a nível continental.


Por tudo o que foi, por tudo o que é e por tudo o que continuará a ser, muito obrigado companheiras, muito obrigado companheiros, continuamos a ser uma rede.


26 visualizaciones

Comments


bottom of page